Baile de Aniversário da Cia do Cassino e desta editora!

A noite deste sábado, dia 23 de agosto será especial!

A Cia do Cassino, do professor Ed Charlles e esta que vos escreve estarão comemorando mais um aniversário com muita dança e muita festa, é claro!

Venha comemorar conosco curtindo sem parar todos os nossos ritmos preferidos, zouk, salsa, samba, forró, tango, bolero, bachata, soltinho e west coast na Dance Ímpar!

E como não poderia deixar de ser, se o negócio é festa é claro que teremos uma sala só para os zoukeiros fritarem a chapa a noite inteira!!

Ingressos antecipados a R$ 10,00, com o pessoal da Cia do Cassino até hj apenas!!

Na hora ingressos a R$ 15,00 e R$ 13,00 para alunos e sócios da ACADS!!

10518961_4672622590953_4607511840462990844_n

 

About these ads

Pelo futuro, por Jaime Arôxa

Texto maravilhoso do grande mestre da dança de salão brasileira, Jaime Arôxa!

Publicado originalmente no Social Samba (AQUI) do nosso parceiro Thiago Castilha. Uma verdadeira lição em vários tópicos para todos os profissionais da dança a dois. Para ser lido, relido, refletido e, principalmente, entendido e incorporado no dia-a-dia dos profissionais e de quem vive a dança como sua arte de vida.10577030_891275750886506_1607037977877323483_n

Relutei em escrever este artigo, apesar de ter a impressão que não posso mudar o rumo das coisas, mas com a história que tenho na dança de salão, não posso ficar omisso, assistindo este momento difícil que a dança vive. Sei que me exponho a opiniões contrárias e também não quero levantar nenhuma polêmica, digo o que penso e o que vejo, e o faço por amor e preocupação com esta arte maravilhosa que tanto ajudei a desenvolver e quero que continue, se possível para sempre.

Acredito que a maioria sabe o quanto viajo e vendo dança pelo Brasil afora. Nessas viagens tenho escutado muita 163320_393119134115083_208067533_nreclamação de donos de escola de dança sobre a dificuldade cada vez maior de captar alunos, e principalmente mante-los. Culpam sempre vários aspectos. Digo a eles que nunca tive e nem tenho dificuldade de fazer crescer minhas turmas, só preciso de regularidade e de um ambiente que me dê suporte para uma convivência feliz..

Mostro o quanto o boca a boca é o grande diferencial, uma escola enche a partir de seus próprios alunos, apaixonados e divulgadores incessantes da alegria que colocam em suas vidas ao encontrar a dança e a sua escola. Nada é mais eficaz que isso. Essa satisfação é resultado que uma séries de ações que juntas farão a mutiplicação acontecer. Por isso listei alguns pontos que considero importantes para fazermos uma reflexão e juntos ou separados agirmos na direção de conseguir um aumento de alunos e de oportunidades que possa vislumbrar um futuro promissor para o movimento geral da dança de salão.

Necessidade de observação do tempo de cada aluno, que numa média indicará o tempo de cada turma para instalação dos códigos básicos, que sendo ensinados além dos movimentos, irá determinar a relação do aluno com a música, com a dama, com a evolução, com o professor, com a dança enfim.

1977174_679926028713165_2097086150_nA importância de encontrar um ponto certo,entre dar o que o aluno busca e mostra o que ele precisa. Achando uma forma produtiva de divertir e ensinar. Aprender indica um pensamento concentrado e, as vezes, sério. Se divertir indica uma postura mais aberta e relaxada. Juntar os dois é o segredo de uma boa aula. Uma aula em que o resultado foi bom para o aluno porque ele, principalmente, se divertiu e bom para o professor porque ele sabe que seus alunos aprenderam.

A necessidade de um olhar mais antropológico do universo da dança e do mundo de uma maneira geral. Isso irá influenciar na escolhas das músicas por parte do professor, que por sua vez influencia diretamente na performance do aluno. O perfil dos alunos da dança de salão é o mais heterogeneo possível, assim como os gostos musicais, a sensibilidade em relação a música, etc. A trilha sonora da vida do aluno precisa ser enriquecida com uma inteligente seleção das músicas escolhidas para as aulas. O professor só irá conseguir isso com pesquisa. Em um computador com 3.000 músicas a tendencia é se repetir , a oferta demasiada leva a um conformismo e acomodação.

É urgente que as mulheres da turma entendam a necessidade da formação de novos parceiros, as vezes eles vão embora por que não são vistos ou ajudados pelo professor , apenas criticados e rejeitados por algumas alunas. Um investimento de tempo e afeto a este cavalheiros farão com que haja uma transformação. O professor precisa saber transformar. Tento dizer para as mulheres que não existe principe encantado, então encante o seu. Confie que seu colega pode melhorar. Muitos homens que poderiam ter se tornado bons amigos e cavalheiros saíram ou foram trocados um personal, mais jovem, mais rápido, mais pronto.

A revisão das metodologias aplicadas nas escolas. Um dos grandes problemas é a falta dela. Nesse aspecto é preciso ter cuidado,o problema das metodologias é que são frutos do intelecto e a dança vem de outros lugares da cabeça, do corpo e da alma. Então vejo como caminho para o meu saber a compreensão da natureza das coisas e não da cultura das coisas. As vezes o saber na dança é visto como executar uma sequencia de passos , pré-marcada, contada, ensaiada, que irá se repetir sempre da mesma forma, com o mesmo ritmo. Dançar é muito mais que isso. 

Os organizadores de congressos poderiam incluir em suas programações debates sobre o universo dança de salão, e aí os assuntos são de uma imensa variedade. Alguns profissionais da dança não gostam muito de falar de dança, claro preferem dançar. O debate não necessariamente precisa chegar a alguma conclusão, só ele existir leva uma reflexão, que leva, sempre, para o caminho das melhorias no rumo da evolução do meio-ambiente da nossa dança, como profissão.

Importante que os novos candidatos a professores e dançarinos ampliem mais seu gosto e fujam da armadilha de serem10272725_625649217528739_8040579877474146542_o especialistas em algum ritmo. Isso tem trazido uma mudança negativa do mundo da dança, antes nos bailes se via todas as formas de dançar num só lugar, e sempre batalhei para isso acontecer em meus bailes. Hoje temos muitos professores de um só ritmo, que promovem só um ritmo, em seus bailes e festas só toca aquele ritmo, que cria grupos que dançam aquele ritmo. percebe o quanto isso diminui a capacidade de massificação da dança como um todo.

Tambem acho necessário que os professores nunca parem de aprender, não se fechem na sua condição de professor e não consigam mais assimilar novos aprendizados e promover mudanças evolutivas na sua carreira de dançarino e professor. É muito difícil ser aluno depois de se tornar professor. Muitos começam a dar aulas muito cedo e paralisam o desenvolvimento pessoal de sua dança.

Rio de Janeiro, 10 de agosto 2014

 

Jaime Aroxa

Neville Fusco é o novo Presidente da ACADS

A Associação Catarinense de Dança de Salão – ACADS, em sua Assembléia Geral Ordinária realizada no último domingo, dia 17/8, nos termos de seu estatuto, elegeu sua nova presidência para a gestão 2014/2016.

NEVILLE MARCELO FUSCO, Presidente, e ED CHARLLES LEITE, Vice-Presidente, serão os comandantes da nossa associação pelos próximos 2 anos.

A Associação Catarinense de Dança de Salão – ACADS terá a sua frente um líder com formação profissional e atuação nas áreas de gestão, inovação e empreendedorismo. Diretor Administrativo no último ano da gestão anterior, Neville é antes de mais nada um profissional focado na gestão de resultados com um fascínio especial por desafios e que traz em sua bagagem de vida um currículo respeitável de estudos e dedicação à arte de dançar a dois, que começou a desenvolver ainda em São Paulo nos idos de 1997.

Empresário, engenheiro, professor, coreógrafo e dançarino, Neville costuma mergulhar de corpo e alma em tudo a que se propõe. Competência e conhecimento não lhe faltarão para enfrentar as dificuldades sempre com muita determinação e uma boa dose de ousadia. Qualidades que têm de sobra. Visionário, mas mantendo sempre os pés no chão, para, junto com sua equipe, realizar uma gestão que pretende não apenas “dançar conforme a música”, mas recriar esta dança tornando-a mais leve, fluida e eficiente.

Neville Marcelo vai fazer a diferença e sua trajetória frente a ACADS será pautada  pelo conhecimento, pró-atividade e profissionalismo, dando novo rumo à nossa Associação.

Conheçam um pouquinho mais sobre o nosso novo Presidente, quem é, o que pensa e quais os projetos para a sua gestão:

BB2

  Empresário, palestrante e consultor técnico em diversas áreas da metrologia, gestão da qualidade, garantia da qualidade, estatística aplicada na gestão da qualidade e processos, o paulistano Neville chegou à Florianópolis em 2007 para cursar seu mestrado em Engenharia Mecânica na UFSC e em pouco tempo já estava também lecionando dança de salão na cidade.  Apaixonado por dança, especializado em samba de gafieira e tango, professor, bailarino e coreógrafo, equilibra com muita desenvoltura suas duas paixões, dança e engenharia.

1.  Qual o papel que a Dança representa na sua vida?

Neville: A dança é uma paixão antiga que me traz o equilibrio pessoal, hoje muito mais que um hobby é algo que faz parte da minha vida, do que sou. Gosto de dizer que sou um engenheiro com alma de dançarino. Comecei a dançar aos 17 anos e nunca vou parar.  Como amante dessa arte vou sempre tentar ajudar de alguma forma para que a nossa cultura e forma de dançar a dois possa crescer e permanecer para outras gerações. 

2. Qual a importância da ACADS para a Dança de Salão Catarinense?

Neville: A ACADS é uma associação que representa a DS no estado de SC, sendo uma instituição que une profissionais, produtores e interessados em DS no estado para discutir e buscar ações para melhorar essa cultura. A história da ACADS se confunde com a história da DS no Brasil, em especial na região SUL e estado de SC. 

Devido a todo o tabalho realizado pela ACADS durante os ultimos 14 anos podemos afirmar que SC representa um polo de DS e tem seus profissionais espalhados pelo Brasil e pelo mundo.  

3. O que te motivou a assumir a presidência da associação?

Neville: Em primeiro lugar a paixão pela DS, embora não seja um profissional do meio sou um apaixonado pela dança, em especial pela DS e toda a cultura e história que envolve essa vertente da dança. Em segundo lugar acredito que precisamos profissionalizar a DS e valorizar essa arte que muitas vezes é vista como marginalizadas por outras vertentes da dança, e como um empreendedor e gestor por profissão acho que posso ajudar a buscar um olhar mais profissional para a ACADS e auxiliar na busca por novas fronteiras para as ações realizadas pela ACADS em todo o estado. 

4. Quais são as metas e os  projetos para a sua gestão?

Neville: Como principais metas e projetos para a gestão 2014/2016 acredito que devemos atuar nos seguintes tópicos:

 – expandir as parcerias e ações ACADS fora da capital. 

-  valorizar o profissional do estado de SC

-  melhorar benefícios aos associados

-  realizar o BF 2015 

-  resolver problemas relacionados a projetos culturais e administrativos. 

Caminhamos, certamente,  para um novo tempo! Estão de parabéns os associados da ACADS pelo sopro novo e cheio de energia que vai  impulsionar os destinos da nossa Associação.

 

Galeria

Vem ai o SALÃO ARENA, Uma inspiração inovadora na dança catarinense

Esta galeria contém 5 fotos.

Em agosto de 2013, a dança de salão de Floripa viveu uma experiência singular e surpreendente, o baile foi parar no palco do teatro e os artistas foram todos os presentes,  foi o primeiro BAILE ARENA – um espetáculo interativo de … Continuar lendo

Onde comprar sandálias de tango em Buenos Aires

Alma Sapatos de Tango - Divulgação

Alma Sapatos de Tango – Divulgação

 Agosto e setembro são os meses em que o pessoal mais viaja à Buenos-Aires, esse finzinho de inverno e início de primavera, o clima ameno e as inúmeras opções culturais, principalmente voltadas aos amantes do Tango tornam nossa irmã portenha especialmente irresistível.

E quem gosta de tango dificilmente volta de Buenos Aires sem um sapato ou uma sandalinha, não é mesmo, meninas?

Para quem dança, o sapato não é um acessório qualquer. É “o” acessório. Ou melhor, é a parte principal da indumentária.

Primeiro, porque usar calçados adequados é muito importante para evitar lesões nos pés ou nos joelhos.

Depois, porque o que você faz com o seu pezinho reflete a sua interpretação da dança. É praticamente a identidade do seu baile. E por isso todo mundo vai olhar para ele!

Até década de 90, os sapatos de tango eram bem simples e sem muitas variações. O furor pela dança nos últimos anos fez explodir o número de lojas e fabricantes em Buenos Aires, que transformaram o sapato de tango num objeto de fetiche. Depois que você compra o primeiro par, pode ter certeza, vai querer mais! É uma cachaça!

O que levar em conta na hora da compra:

NÚMERO: aqui na Argentina a gente tem que pedir um número maior. Ou seja, se você calça 35 no Brasil, aqui será 36. Parece uma bobagem, mas demorei em descobrir isso

MODELO: Para quem está começando, sugiro um modelo discreto, fechado no calcanhar e sempre com a pulseira ao redor do tornozelo. Isso é importante para que o sapato não saia do pé no meio do baile. A ponta pode ser fechada ou aberta (aqui chamada de boca de pez). Meu conselho é deixar as sandálias para uma segunda compra.

SALTO: Sapatos rasteiros não são muito indicados, porque o salto ajuda a deslocar o peso do corpo para o metatarso e isso ajuda na hora da dança. A única coisa que tem que levar em conta é que quanto mais alto o salto, menos base de apoio tem o pé, o que pode afetar o equilíbrio. Então, moderação nos “tacos”! Recentemente surgiram os tênis de prática, que não têm salto, mas são mais indicados para quem treina várias horas por dia.

MASCULINOS: Para os homens, a ideia é a mesma. Não opte por um sapato branco ou bicolor se você está começando! Discrição ao princípio, e ousadia com o passar do tempo. Dê uma olhada no site da 2x4alpie, que oferece solas que podem ser trocadas de acordo com o piso. Para o homem há três tipos de saltos: pastel (baixo), francês (de cerca de 4cm) e inglês (um pouco mais alto e afinado nos extremos).

QUALIDADE: Os sapatos de tango são caros porque são feitos à mão e de materiais nobres, como o couro. Isso permite, por exemplo, que o calcado seja flexível e respirável, ou seja, que os pés se mantenham cômodos e secos mesmo depois de várias horas de baile. É importante escolher bem a sola, que podem ser de couro ou de camurça. As de borracha não são adequadas porque não deslizam.

IMPORTANTE: Os sapatos de tango não são para usar na rua. Você os leva para a milonga numa sacolinha, usa e depois os guarda de volta. Todo um ritual que já estamos acostumadas!

Mapa do Tesouro: Ou Onde comprar suas sandálinhas amadas:

·         Alanis
·         Alma Buenos Aires  –   Estados Unidos 652
·        Comme Il Faut - Arenales 1239 puerta 3 dto. M
·         Darcos tango Shoes –    Sarmiento 835
·         Fabio Shoes  - Riobamba 10 piso 10ª
·         Fatomano – Guatemala 4464
·         Flabella - Suipacha 263
·         Loló Gerard - Tomás de Anchorena 607
·         GretaFlora – Acuña de Figueroa 1612 e Uruguay 1295
·         Madresselva –  Av. Corrientes 3190 1 Piso e Venezuela 3502
·         Mimi Pizon - Venezuela 3502, Buenos Aires.
·         Neotango – Sarmiento 1938
·         Souple - Paraná 348 piso 2° dep
·         Soy Porteño - Alsina 1886
·         Suzana Artesanal - Jean Jaures 465
·         Taconeando – Arenales, 1606
·         Tango Leike - Sarmiento 1947
·         La Vikinga – Av. Entre Rios 469, 2° piso
·         PH Tango - Grito de Asencio 3602

Matéria publicada pela Gisele Teixeira do Aquí me Quedo. Leia AQUI! Aliais esse blog tem um monte de matérias bem legais sobre Buenos-Aires, vale a pena dar uma conferida!!